CIDADE

Morre Juliana Carla, vice-presidente do Movimento Diversidade

31/05/2024 12:15




 O Movimento Diversidade/MD LGBTQIAP+ de Ponte Nova observou luto nesta sexta-feira (31/5) com o sepultamento de sua vice-presidente, Juliana Carla dos Santos, 41 anos, falecida na véspera por conta de complicação pneumológica.

Ela estava entre as pessoas que fundaram a entidade de defesa dos direitos de lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais, transgêneros e mais. Morava no bairro Triângulo e administrava dois pontos de motoboy/táxi/entrega em nossa cidade.

Presidente do MD, Arthur Lourenço expressou, perante esta FOLHA, o "extremo sentimento de perda". Integrantes das ações LGBTQIAP+ acompanharam o sepultamento às 10h no Cemitério Mirante da Paz. O nome dela deve ser lembrado em ações de junho - Mês do Orgulho LGBT+.

Pioneirismo

Juliana Carla foi notícia nesta FOLHA em agosto de 2018, quando se tornou a primeira pontenovense transexual a conseguir averbação cartorial oficializando a mudança de seu nome (Juliano dos Santos, na certidão original).

Nossa Reportagem acompanhou a ela e a então presidente do MD, Érika Senna, durante o ato de entrega da certidão no Cartório de Registro Civil do 1º Subdistrito e ouviu Juliana:

"Acima de tudo, agradeço a Deus e à minha mãe, Maria da Conceição Santos, que estava ainda mais ansiosa do que eu para ver esta certidão. Já imagino a felicidade dela ao ver este documento. Sou Juliana desde que nasci, independentemente de órgão genital, pois o que determina é a alma e a mente. É triste ver que em pleno século 21 ainda há pessoas tão preconceituosas em relação às questões de gênero."

Juliana fez questão de agradecer à defensora pública Fernanda Saraiva, ao vereador Hermano Luís/PT, à secretária de Educação e de Cultura/Turismo, Fernanda Ribeiro, e à ONG LGBTI, com destaque para Érika. O caso dela se enquadrou no Provimento nº 73, de 28/6/2018, que dispõe sobre “averbação de alteração do prenome e do gênero nos assentos de nascimento e casamento de pessoa transgênero".

Juliana Carla seguiu projetando-se na articulação local de LGBTQIAP+ (na época era uma ONG) e em 2020 candidatou-se a vereadora pelo partido Rede Sustentabilidade. Em set/2022 tornou-se vice-presidente do MD e discursou condenando o preconceito:

"Sofri [na luta pelos documentos com seu nome social] e é o que tantos sofrem diante dos que defendem a homofobia e a transfobia", declarou ela, que naquele evento recebeu honraria pelos serviços prestados à entidade e como incentivadora anual da Parada do Orgulho LGBTQIA+.







UID:11651136/15/07/2024 02:47 | 0